Bem-vindo(a) ao Consultório Psicologia Familiar. Aqui poderá expor as suas questões e obter informações úteis sobre Vida Familiar.
ENVIE A SUA QUESTÃO.
As respostas às suas dúvidas atendem a diversos critérios. Neste serviço, não serão consideradas válidas questões com falta de enquadramento ou situações de emergência que só possam ter encaminhamento imediato. Nenhuma resposta pressupõe um diagnóstico por parte da nossa equipa nem a substituição de um acompanhamento especializado.

POSTS RECENTES

Tipos de Ansiedade

Problemas de Ansiedade

Problemas de comunicação

Auto-Estima

Psicoterapia para Depress...

Casal Feliz, Como ser?

Casal e os Filhos de outr...

Bom relacionamento

Boa Relação Intima

Perturbação Bipolar

ARQUIVOS

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Setembro 2011

Terça-feira, 15 de Dezembro de 2015

Tipos de Ansiedade

tipos de ansiedade

 

Tipos de Ansiedade

Tipos de Ansiedade: Fobias

A fobia é um medo intenso de algo. Esse tipo de ansiedade é um medo desproporcional à realidade da situação. Estar perto da situação temida causa ansiedade. Por vezes só de pensar na situação faz disparar o medo e desta forma são evitadas todas as situação que possam expor a pessoa a esse sofrimento. A consequência ultima deste evitamento fóbico é uma restrição daquilo que a pessoa faz, das suas actividades e até das relações.

Tipos de Ansiedade: Ansiedade Social

A Ansiedade Social é provavelmente o mais comum dos tipos de ansiedade. Na ansiedade social a pessoa fica muito ansiosa com o que as outras pessoas pensam dela, ou como é que as outras pessoas a julgam. É nesse sentido que se evita conhecer pessoas, ou fazer coisas em frente ou para outras pessoas. Na ansiedade social existe o receio de embaraço, o sentimento de vergonha, o medo que as outras pessoas achem que é desadequado, fraco ou que não vai corresponder às expectativas. As pessoas com ansiedade social evitam todas as situações em que antecipam que isso possa acontecer, o que provoca uma retracção e restrição enorme na vida social e afectiva da pessoa.

Tipos de Ansiedade: Agorafobia

A Agorafobia é um dos tipos de ansiedade mais comuns. Muitas pessoas pensam que a agorafobia signiifica o receio de espaços públicos e abertos, mas isso é apenas um aspecto desta ansiedade. Se a pessoa tem agorafobia tem uma ansiedade que se pode manifestar em várias situações, como por exemplo:

  • Ir a shoppings, entrar em espaços com muitas pessoas e sítios públicos
  • Viajar em comboios, metro, autocarros e aviões
  • Passar em pontes
  • Ir ao cinema, ao restaurante ou qualquer outro sitio em que a pessoa perceba que a saída possa ser difícil

Estes tipos de ansiedade têm todos um receio comum. Que é o receio de que se precisarem de ajuda ela possa não estar disponível, possa não existir naquele momento. Devido a este receio as pessoas com agorafobia tendem a escolher sítios que consideram seguros e restringem a sua vida a esses sítios

 

 

Marcar Consulta Psicologia Lisboa

Marcar Terapia Casal

Marcar Consulta Psicoterapia Lisboa

Marcar Consulta Psicologia Porto

tags:
publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 17:00
link do post | favorito
Terça-feira, 24 de Novembro de 2015

Problemas de Ansiedade

Problemas de Ansiedade

 

Problemas de Ansiedade

 

A maioria das pessoas sente ansiedade de vez em quando. No entanto, pode haver um problemas de ansiedade se ela interferir na vida dia-a-dia. A ansiedade é um conjunto de sinais e sintomas que ocorre em vários problemas de ansiedade.

Todos os problemas de ansiedade têm tratamento. Os tratamentos mais eficazes para os problemas de ansiedade são a psicoterapia e por vezes juntamente com medicação.

 

Quais são os Problemas de Ansiedade

Existem vários problemas de ansiedade, mas basicamente tem a ver com o sentir sintomas de ansiedade ou com ter a preocupação e medo de vir a ter sintomas de ansiedade.

 

Problemas de Ansiedade: Reacção Aguda ao Stress

A Reacção Aguda ao Stress é um dos problemas de ansiedade que se desenvolve muito rapidamente em resposta a um acontecimento stressante, como por exemplo, um acidente, uma noticia de infidelidade, um acontecimento de saúde, um despedimento.

Por vezes estes problemas de ansiedade acontecem antes dos acontecimentos, numa espécie de ansiedade de antecipação, por exemplo, na antecipação a um exame ou um encontro ou uma reunião.

Neste tipo de problemas de ansiedade os sintomas aparecem muito depressa, mas por vezes duram horas, dias ou semanas. Para além da ansiedade é frequente haver uma quebra no estado de humor, irritabilidade, instabilidade emocional, dificuldade em dormir, dificuldade de concentração e vontade de estar sozinho.

 

Problemas de Ansiedade: Reacção de Adaptação

Neste tipo de problemas de ansiedade os sintomas aparecem muito depressa, mas por vezes duram horas, dias ou semanas. Para além da ansiedade é frequente haver uma quebra no estado de humor, irritabilidade, instabilidade emocional, dificuldade em dormir, dificuldade de concentração e vontade de estar sozinho.

Estes problemas de ansiedade são semelhantes aos anteriores, mas os sintomas ocorrem dias ou semanas depois do acontecido como adaptação e reacção ao acontecimento. Os sintomas são semelhantes ao anterior mas já podem incluir depressão.

 

Problemas de Ansiedade: Stress Pós-Traumático

O Stress Pós-Traumático é um dos problemas de ansiedade que pode surgir depois da pessoa ter presenciado um acontecimentos traumático severo. Os sintomas estão presentes pelo menos durante um mês, mas na maioria dos casos estão muito mais tempo. A ansiedade é apenas um dos sintomas e pode surgir e desaparecer, para voltar a surgir mais tarde.

No Stress Pós-Traumático os sintomas são:

  • Voltar a viver o acontecimento traumático.
  • Evitar tudo o que lembre o acontecimento traumático.
  • Ansiedade aumentada e emoções exacerbadas.
  • Memórias intrusivas e angustiantes acerca do acontecimento traumático.
  • Imagens intrusivas ou Flashbacks (agir ou sentir como se o evento estivesse a acontecer de novo).
  • Pesadelos sobre o acontecimento evento ou outras coisas assustadoras.
  • Sentimentos de angústia intensa quando lembrado do trauma.
  • Reacções físicas intensas a lembranças do acontecimento (batimento cardíaco acelerado, respiração ofegante, náuseas, tensão muscular, transpiração).
  • Evitamento de acontecimentos, pessoas e momentos.
  • Sensação de dormência física e emocional.
  • Evitamento de actividades e lugares.
  • Evitamento de pensamentos ou sentimentos que o lembrem do trauma.
  • Amnésia selectiva ou incapacidade para lembrar aspectos importantes do trauma.
  • Perda de interesse em actividades ou na vida em geral.
  • Sentir-se desligado de outros e emocionalmente dormente.
  • Sensação de ter um futuro limitado (não espera viver uma vida normal, casar, ter uma carreira).
  • Dificuldade em adormecer ou manter o sono.
  • Raiva, irritabilidade ou ataques de fúria.
  • Dificuldade de concentração.
  • Hipervigilância ou constante alerta.
  • Sentir-se nervoso e facilmente assustado.
  • Sentimento de culpa e vergonha. Como se a responsabilidade do que aconteceu fosse da pessoa.
  • Abuso de drogas e álcool.
  • Sentimento de falta de confiança em si e nos outros.
  • Pensamentos de desconfiança e perseguição.
  • Depressão e desespero.
  • Pensamentos acerca de suicídio.
  • Sentimento de alienação dos outros e solidão.
  • Dores físicas.

Problemas de Ansiedade: Stress Pós-Traumático

 

Marcar Consulta Psicologia Lisboa

Marcar Terapia Casal

Marcar Consulta Psicoterapia Lisboa

Marcar Consulta Psicologia Porto

tags:
publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 18:06
link do post | favorito (1)
Terça-feira, 6 de Outubro de 2015

Problemas de comunicação

Problemas de comunicação

 

Problemas de comunicação

Os problemas de comunicação levam na maioria das vezes a problemas de relacionamento. Se começam a haver problemas de comunicação como é que se pode manter e desenvolver um sentimento de proximidade e afecto?

Problemas de comunicação, dos mais básicos aos mais complexos, levam frequentemente a rupturas afectivas. Passado algum tempo, algumas relações, a pergunta "O que é que está a correr mal?" começa a surgir. Vamos abordar alguns dos problemas de comunicação mais comuns.

Não fazer questões pessoais ou deixar de as levantar

Não há nada de errado na pergunta "Como foi o teu dia?", no entanto, quando repetida com frequencia dá a sensação de haver falta de interesse e de sinceridade no esforço de curiosidade. Muitas relações passam por problemas de comunicação porque não sabem o que dizer e o refugio neste tipo de pergunta é devastador para qualquer relação. Porquê?

Quando as pessoas passam a comunicar através de perguntas chavão, aquilo que estão a transmitir é que estão a cumprir um dever social para evitar problemas de comunicação. Estes chavões são entendidos como uma obrigação e não uma vontade genuína de saber da vida da outra pessoa. E isso é uma coisa que não se quer fazer a alguém que se ama.

Quando a pessoa diz algo único, inesperado, uma nova situação, uma circunstancia, uma curiosidade, está a transmitir que tem atenção pela outra pessoa. Por exemplo, "O que é que foi novo hoje, para ti?" ou "Qual foi a coisa mais divertida que viste ou ouviste hoje?"

Este tipo de questões é percebido como um verdadeiro interesse nos sentimentos e no bem-estar da outra pessoa e isso evita muitos problemas de comunicação.

Não comunicar um problema ou uma verdade difícil

As relações que têm mais força são construídas numa base em que se pode e deve falar de tudo e qualquer coisa. Quanto mais difíceis e privadas forem as conversas mais intimidade emocional e menos problemas de comunicação.

Problemas de comunicação

 

Marcar Consulta Psicologia Lisboa

Marcar Terapia Casal

Marcar Consulta Psicoterapia Lisboa

Marcar Consulta Psicologia Porto

publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 11:00
link do post | favorito
Terça-feira, 29 de Setembro de 2015

Auto-Estima

Porque é a Auto-Estima tão importante?

Auto-Estima é a maneira ou forma como as pessoas vêem o seu valor e importância.

A auto-estima tem muito a ver com os sentimentos que as pessoas vão tendo quanto ao seu sentido de valerem ou de não valerem a pena. A auto-estima é importante porque influencia grandemente a forma como as pessoas fazem as decisões e as escolhas nas suas vidas. Aquilo que acreditam, o que sentem em relação às pessoas e como reagem aos acontecimentos e relações. Por outras palavras, a auto-estima é um factor de motivação para as pessoas desenvolverem o seu potencial ou reprimir em agonia emocional.

As pessoas com elevada auto-estima também são pessoas motivadas para cuidarem de si mesmas e para persistentemente avançarem na concretização dos seus objectivos e aspirações.

As pessoas com baixa auto-estima tendem a não considerar o seu valor pessoal como capaz de atingir resultados positivos e por isso tendem a deixar passar coisas importantes e a serem menos persistentes e resilientes para ultrapassar as adversidades. As pessoas com baixa auto-estima até poderão ter os mesmos objectivos que as pessoas de elevada auto-estima, mas geralmente são menos motivadas para os perseguir até à conclusão.

De alguma forma o conceito de auto-estima é um tanto ou quanto abstracto, no sentido que é difícil explicar a alguém que tem baixa auto-estima as implicações de não a ter elevada. Uma das maneiras de explicar a importância de uma elevada auto-estima é a pessoa começar a considerar como se sentiria se conseguisse obter aquilo que valoriza na vida.

Por exemplo, algumas pessoas valorizam a sua casa. E porque a sua casa é importante, elas cuidam muito bem desse bem. Tomam boas decisões quanto à forma como cuidam e preservam a casa, ao modo como a decoram e a protegem, à maneira como ela está apresentada para receber pessoas ou para permitir acolhimento.

A auto-estima funciona da mesma maneira, mas no que diz respeito à própria pessoa. Auto-estima é o cuidado, a atenção, o amor, a protecção e o desenvolvimento desse bem precioso que é a própria pessoa.

Auto-Estima.jpg

 

Dimensões da Auto-Estima

Elevada Auto-Estima e Baixa Auto-Estima

A auto-estima decorre num continuo que vai de baixa auto-estima a elevada auto-estima. É como a temperatura. Existe sempre. Mas existe em quantidade adequada ou insuficiente. Nesse continuo, a auto-estima varia de pessoa para pessoa e na mesma pessoa tende a variar consoante os acontecimentos da vida se aproximam ou afastam daquilo que a pessoa valoriza. Por isso não se pode concluir se uma pessoa tem elevada auto-estima ou baixa auto-estima através do que ela faz ou consegue da vida, mas antes do que ela sente e pensa acerca de si propria com essa conquistas ou não conquistas.

Auto-Estima e Personalidade.

A Auto-Estima também é um forte pilar da construção da personalidade. Crê-se que a Auto-Estima varia em proporcionalidade e razoabilidade. Algumas pessoas que sentem ter uma elevada auto-estima não a obtêm através dos seus feitos e desenvolvimentos. Antes dão credito a si mesmas independentemente de conseguirem atingir objectivos e ultrapassar desafios, até porque não os colocam. O seu sentido de elevada auto-estima deriva mais de um auto-reconhecimento do que a conquistas realizadas. Não é negativo, mas frequentemente são rejeitadas pelos outros porque não existe a correspondência entre o que a pessoa faz e a aquilo que se pensa dela.

O contrário também se verifica e até é mais frequente. Ou seja, pessoas que realizam objectivos, conseguem ultrapassar dificuldades e apesar de terem o reconhecimento de outras pessoas, não fazem elas próprias esse auto-reconhecimento, não se dando o crédito dos feitos.

Uma elevada Auto-Estima é fundamental para uma boa saúde mental e qualidade de vida, felicidade, optimismo e segurança em si mesmo, mas precisa de ser proporcional às realizações da pessoa.

 

Marcar Consulta Psicologia Lisboa

Marcar Terapia Casal

Marcar Consulta Psicoterapia Lisboa

Marcar Consulta Psicologia Porto

publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 12:19
link do post | favorito
Quinta-feira, 24 de Setembro de 2015

Psicoterapia para Depressão

psicoterapia

 

Psicoterapia para Depressão

Muitos estudos têm comprovado que a psicoterapia, é a forma mais indicada para ajudar a tratar a depressão. O objectivo da psicoterapia é ajudar a aprender sobre o que é a depressão e encontrar maneiras de diminuir os sintomas.

A experiencia comprova que é a maneira mais eficaz de ultrapassar as causas e as consequências da depressão. Causas que em alguns casos as pessoas nem sabem quais são e consequências que tendem a arrastar-se durante meses e anos.

A psicoterapia é um modo seguro e mais eficaz a longo prazo para que a pessoa se sinta melhor. Quando a depressão é leve ou moderada, habitualmente basta a psicoterapia, no entanto quando a depressão é grave, pode e deve ser aconselhado tratamento com medicação juntamente com psicoterapia. Os profissionais mais qualificados para fazerem o diagnóstico são os psicólogos e os psiquiatras.

Que tipo de psicoterapia é melhor para a depressão?

Há muitos tipos diferentes de psicoterapia. Os dois mais conhecidos e utilizados para a depressão são a terapia cognitivo-comportamental e terapia interpessoal.

A terapia Cognitivo-Comportamental concentra-se em perceber a forma negativa como os pensamentos acontecem na mente e que afecta o humor (os sentimentos) e o comportamento (o que se faz). A psicoterapia ajuda a fazer mudanças positivas na maneira de pensar e aborda a importância de alterar comportamentos.

Terapia interpessoal concentra-se em como a pessoa se relaciona com os outros e ajuda-a a fazer mudanças positivas nos relacionamentos pessoais.

Quanto tempo demora uma psicoterapia para a depressão?

Apesar de não ser imediato é esperado que melhore gradualmente com algumas consultas. A maneira como sabe que está a melhorar é que ao fim de algum tempo a forma de pensar é diferente. A maneira de sentir é mais positiva e esperançada. E acaba por reparar que faz mais coisas que gosta do que fazia antes. Tudo isso porque se aprende a encarar a depressão como uma consequência de vários acontecimentos que a mente está a reagir e não como uma avaria mental que incapacita a pessoa de vir a ter as coisas que consideraa importantes.

 

 

Marcar Consulta Psicologia Lisboa

Marcar Terapia Casal

Marcar Consulta Psicoterapia Lisboa

Marcar Consulta Psicologia Porto

publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 13:25
link do post | favorito
Terça-feira, 25 de Agosto de 2015

Casal Feliz, Como ser?

casal feliz

Você sabe tudo o que há para saber sobre como o casal feliz lida com as situações difíceis, comunicam, têm projectos em comum, alimentam o romance, etc.

Mas se tiver curiosidade em saber mais, leia a seguir e talvez descubra alguma dica.

Casal Feliz – Querem saber como foi o dia do outro.

É tão fácil ficar apanhado na rotina do cansaço do dia que esquecemos como terá sido o da outra pessoa que já chamamos amor. Antes de começar o final do dia a falar de como lhe correu mal e como o seu patrão não valoriza, quando chegar a casa dê um abraço aquela pessoa e dê-lhe um beijo.

Casal Feliz – Aproximar da Confiança e Afastar do Ciúme.

Felizmente o local aonde trabalhamos e vivemos não é local de segregação de género. Por isso, não é possível não trabalhar com pessoas de sexo diferente. Para que se aproxime da confiança e afaste o ciúme deve ter em mente o corolário “Inocente até prova em contrário”. Deve também colocar-se “nos sapatos” da outra pessoa e pensar que incentivo está a dar à outra pessoa para ter fidelidade se a está a acusar sem razão. Por outro lado, deve procurar esclarecer quaisquer dúvidas, inseguranças ou incertezas que lhe possam surgir pelo caminho,

Casal Feliz – encontram caminhos comuns.

Aquela chama inicial que aproxima as pessoas, as deslumbra, as faz vibrar, as faz sentir especiais, tende a afrouxar com o tempo. Todos sabemos isso. Mas não se trata de uma inevitabilidade, de um fado, de um pesadelo no fim de uma noite de sossego. Muito pelo contrário, o desafio não é apaixonar-se, é manter-se apaixonada(o). Para manter a relação interessante encontre fazeres e interesses comuns. Se as pessoas se aproximam é porque têm algo em comum.

Casal Feliz – Compromisso é a chave.

Sabemos que não podemos ter imediatamente tudo o que queremos. Podemos tentar ter com o tempo, trabalho e investimento. O compromisso é o investimento que a relação precisa. Compromisso que o caminho é feito a dois – mais os filhos e o resto da família – norteado pelo desejo de viver bem no presente e ainda melhor no futuro.

Casal Feliz – Aqueles de se ouvem.

Precisamos de falar, de ser compreendidos, de sentirmos apoio, suporte e que alguém nos cuida. Quer saber uma coisa? O outro também precisa disso. Claro que passados um anos todos temos razões válidas e dadas pelo outro para não lhe prestarmos essa atenção. Mas como em tudo na vida as nossas escolhas são nossas não são do outro e se escolhemos trata-lo dessa forma escolhemos ser tratados de igual maneira.

Casal Feliz – Crescimento é coisa que se faz com o outro e não sozinho.

Os sonhos, espectativas e desejos de um devem ser do outro também. O empenho que uma pessoa tem em conseguir coisas, superar dificuldades e procurar uma vida melhor devem ser partilhados num casal feliz.

Casal Feliz – Não guardar ressentimentos.

Você é humano. A outra pessoa também. Todos fazem disparates, erros, falhas ou omissões graves. Por vezes quando menos se espera ou não vem nada a calhar. No entanto, sabemos que um casal feliz ultrapassa essas questões falando delas, debatendo intenções, subtraindo ao sentimento as razões que estavam na origem. Ressentimentos fazem rugas e criam cabelos brancos. Minam a disposição e toldam o discernimento. Por isso, encha o peito de ar, eleve-se aquela posição de aceitação da condição humana do outro e desculpe.

 

 

Marcar Consulta Psicologia Lisboa

Marcar Terapia Casal

Marcar Consulta Psicoterapia Lisboa

Marcar Consulta Psicologia Porto

publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 14:50
link do post | favorito
Terça-feira, 18 de Agosto de 2015

Casal e os Filhos de outra Relação

Casal e os Filhos de outra Relação

O casal que se junta e tem filhos de outra relação enfrenta desafios por vezes difíceis de resolver.

Quando o Amor acontece, um casal apaixonado enfrenta tudo e todos para puder ficar junto. De início tudo são rosas, mas quando se trata de um casal onde já existem filhos de outras relações, se não tivermos muita sensatez e paciência, as pétalas da rosa podem cair e ficamos apenas com os espinhos.

É o caso do João e da Rita, casal apaixonado que se juntou há 4 alguns anos. A Rita foi viver com o João e com uma bebé de 2 anos, a Matilde, o João já vivia com os seus dois filhos, o Manuel e a Paula.

A Matilde a bebé de 2 anos, por enquanto está bem adaptada à família recomposta, já que ganhou mimos de mais 3 pessoas, do João e dos seus filhos.

A Rita está com imensa dificuldade em lidar com os filhos do João, que têm 18 e 14 anos, pois acha que estes não a amam como amam a mãe deles, não a respeitam e não a ajudam nas tarefas domésticas.

O Manuel e a Paula, os filhos do João, são jovens equilibrados e bons estudantes, mas têm o comportamento típico dos adolescentes, isto é, fecham-se no quarto, jogam consola e computador, falam muito ao telemóvel e querem sair com os amigos.

O João, esse, está ensanduichado entre gerir a relação com os seus filhos, com a namorada Rita e entre estes.

O resultado divido às dificuldades em gerir tudo: o João e a Rita estão neste momento separados enquanto casal.

O que pode esta casal fazer?

Será importante que as regras da família sejam ditadas pelo casal, sendo que as mesmas não devem diferir muito das regras impostas pelo João antes de a Rita surgir na sua vida, caso contrário os adolescentes tenderão a recusá-las.

O João tem de criar um espaço para o casal, já que os filhos de ambos estavam habituados a terem o pai só para eles e agora a atenção dos pais não incide apenas nos próprios filhos.

É bom que a Rita entenda que não tem o papel de mãe e que surgiu na vida destes jovens quando o seu crescimento já ia a meio caminho, mas pode começar por ser uma boa amiga e uma pessoa de confiança, e até mesmo mediadora entre pai e filhos, quando se justificar.

Paciência e calma estão na ordem do dia, pois se o João e a Rita se apaixonaram, têm de compreender que os filhos de um e de outro não se apaixonaram por ninguém, mas as suas vidas alteraram-se drasticamente com a introdução de membros desconhecidos na família.

É preciso dar tempo ao tempo, permitir uma adaptação equilibrada de cada um dos 5 membros da família aos outros 4, e perceber ao mesmo tempo quais as necessidades de cada jovem para que esta adaptação seja saudável e enriquecedora para o seu crescimento individual, para o crescimento da relação do casal e para o florescer desta família recomposta, onde todos importam individualmente e onde queremos que todos se entrelacem familiarmente.

 

 

Marcar Consulta Psicologia Lisboa

Marcar Terapia Casal

Marcar Consulta Psicoterapia Lisboa

Marcar Consulta Psicologia Porto

publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 14:47
link do post | favorito
Terça-feira, 11 de Agosto de 2015

Bom relacionamento

bom relacionamento

Um bom relacionamento não sobrevive se for deixado ao sabor do vento.

Um bom relacionamento precisa de cuidados e carinho que as duas pessoas vão dando um ao outro de forma a criar uma ligação reciprocamente benéfica.

Para promover um bom relacionamento, profundo e intimo, é preciso que a relação tenha determinadas que as pessoas não se podem esquecer.

Um bom relacionamento implica que haja uma comunicação carinhosa, constante e honesta.

Se não houver conversa, comunicação e diálogo é difícil haver um bom relacionamento. Quanto mais se comunicar, o mais ligação se vai sentir, mesmo que alguns temas possam ser desagradáveis. Não pare de comunicar.

Um bom relacionamento implica que haja uma verdadeira e sincera vontade de trabalhar os desentendimentos e as diferenças.

Tenha consciência que se desistir de resolver as diferenças e de encontrar as semelhanças você estará a desistir de ter um bom relacionamento. As situações até podem ser tensas, desconfortáveis e frustrantes, mas tem que acreditar que o afecto positivo – o amor – está do outro lado da moeda. A dificuldade nestas alturas é virar a moeda

Um bom relacionamento implica que haja sentido de humor, diversão e distração das obrigações da vida.

Um bom relacionamento precisa de ar fresco para respirar. Esse ar fresco é a capacidade que as pessoas têm de implicar bom humor, diversão, novidade e distração, nas rotinas do dia-a-dia. Traga a outra pessoa para as coisas que você gosta de fazer, não faça sozinho, mesmo que precise daquele tempo só para si. Inclua a outra pessoa. Faça-a tornar-se parte dessa parte da sua vida.

Um bom relacionamento implica que você partilhe as lições que a vida vai ensinando.

Quem está na vida para viver percebe rapidamente que existem muitas lições a aprender. Porque existem muitos erros que se fazem e muitas falhas que se cometem, também existe muita oportunidade para aprender. Para um bom relacionamento, partilhe com a outra pessoa essas aprendizagens e perceberá o quanto a outra pessoa fica gratificada por lhe estar a proporcionar esse enriquecimento.

Um bom relacionamento implica que você dê e receba apoio emocional, validação e valorização incondicional e exclusiva.

Um bom relacionamento tem por base a troca reciproca de necessidades. Algo que um precisa é provido pelo outro. Todas as pessoas têm as suas necessidade pessoais, no entanto é unanime considerar que todas as pessoas precisam de valorização, apoio emocional e validação como sinal de unicidade e consistência da relação.

 

 

Marcar Consulta Psicologia Lisboa

Marcar Terapia Casal

Marcar Consulta Psicoterapia Lisboa

Marcar Consulta Psicologia Porto

publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 14:43
link do post | favorito
Terça-feira, 4 de Agosto de 2015

Boa Relação Intima

boa relação intima

Provavelmente uma das necessidades que tem é desenvolver e manter uma boa relação intima. Infelizmente todas as relações passam por altos e baixos, e por vezes os baixos parecem não dar lugar a tempos para uma boa relação intima. É a altura em que se questionam as coisas, em que se pondera o futuro, em que se faz um balanço do passado.

Acompanhe alguns tópicos que fazem e mantém uma boa relação intima.

Boa Relação Intima - Compreensão e Sensibilidade pelas Necessidades do Outro e Suas

Necessidades é algo que existe em todas as pessoas. Elas expressam-se sobre a forma de expectativas, desejos, fantasias, reacções e comportamentos. Algumas dessas formas não são totalmente conscientes, ou são mesmo totalmente inconscientes. Por exemplo, existem reacções de desconfiança, ciúme e controlo que são movidas pela necessidade de exclusividade e de se sentir único e especial. Existem reacções de submissão à vontade do outro, ou dificuldade em estabelecer limites e dizer não que são movidas pela necessidade de receber amor. Existem reacções de afastamento da intimidade e do fortalecimento da relação pela necessidade de independência. São apenas alguns exemplos de necessidades inconscientes que são expressas com o outro e que colocam em causa uma boa relação intima. Compreender conscientemente necessidades inconscientes é um trabalho que não é acessível através da racionalidade. Tem que se fazer de outra maneira. E essa maneira é a psicoterapia.

Boa Relação Intima - Tome consciência dos receios e medos que motivam as suas reacções

Todas as pessoas receiam alguma coisa. Faz parte da natureza humana. E é quase certo que a maioria das pessoas desconhece os verdadeiros receios que prejudicam uma boa relação intima. Por exemplo, o receio de falhar que é expresso em quase todas as situações que envolvem dificuldades na relação sexual. O receio do compromisso que se revela cada vez que a relação entra num nível de maior profundidade emocional. O receio de estar só, que pode levar a ter relação que estão longe de uma boa relação intima. O receio de perder a independência que pode levar a reacções de ser controlado pelas outras pessoas. O receio de sofrer, que geralmente ocorre depois de experiencias anteriores mal sucedidas e que leva a precauções nomeadamente a uma dificuldade na entrega emocional e na abertura a uma boa relação intima. Ter consciência desses receios inconscientes é a forma mais eficaz de saber mudar as reacções e os comportamentos. Para isso serve a psicoterapia.

Boa Relação Intima - Verifique se as suas expectativas são realistas

É fundamental ter expectativas. É natural e desejável ter expectativas face à outra pessoa, pois esse é o ingrediente que tempera uma boa relação intima. A expectativa de amor incondicional. A expectativa de compreensão. A expectativa de atenção. A expectativa de suscitar desejo na outra pessoa.

Se perceber ou sentir que as suas expectativas não estão a ser correspondidas, isso pode geral sentimentos de desilusão, desapontamento, reacções de frustração e comportamentos de zanga que contaminam uma boa relação intima. Procure saber se as expectativas são realistas e atingíveis naquela altura. Essa tomada de consciência é difícil de fazer porque você está a "ver o problema por dentro". A psicoterapia tem métodos para que você perceba as expectativas de outro ponto de vista, adaptando-as à realidade. O resultado deverá ser a possibilidade de ser feliz, passo a passo.

 

 

Marcar Consulta Psicologia Lisboa

Marcar Terapia Casal

Marcar Consulta Psicoterapia Lisboa

Marcar Consulta Psicologia Porto

publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 14:36
link do post | favorito
Terça-feira, 9 de Junho de 2015

Perturbação Bipolar

Perturbação Bipolar

 

Perturbação Bipolar - Quem está em risco?

A perturbação bipolar afecta tanto homens como as mulheres.

Na maioria dos casos os sintomas surgem entre os 15 e os 30 anos.

As pessoas que têm familiares em primeiro grau têm maior risco de ter Perturbação Bipolar. Mas a perturbação bipolar não tem unicamente uma base genética para se manifestar.

Acontecimentos de vida stressantes, abuso de substâncias e instabilidade emocional são factores que podem desencadear perturbação bipolar em pessoas com pré-disposição

 

A vida dia a dia com Perturbação Bipolar

A perturbação bipolar é uma condição psiquiátrica e psicologia que provoca grandes alterações no trabalho, na vida familiar e social. Quase 90% das pessoas com perturbação bipolar não consegue manter uma estabilidade financeira e profissional. As alterações de humor criam igualmente uma forte instabilidade na família e colegas das pessoas com perturbação bipolar. Principalmente quando as pessoas estão numa fase de humor maníaco em que as famílias e colegas ficam assustados com os comportamentos desadequados e exagerados característicos da perturbação bipolar nesta fase.

 

Perturbação Bipolar e o Consumo de Substâncias

Mais de metade das pessoas com perturbação bipolar que não estão a receber o tratamento médico e a fazer psicoterapia têm problemas com o consumo de álcool ou outras substâncias. Habitualmente o padrão de consumos tem como função a regulação e o alivio do estado do humor. Estes comportamentos são especialmente danosos durante a fase maníaca.

 

Diagnostico na Perturbação Bipolar

Um passo fundamental para diagnosticar perturbação bipolar é a exclusão de outras causas que provoquem alterações de humor. Outras causas como abuso de substâncias, problemas da tiroide, HIV, Hiperactividade, efeitos secundários de medicação e outras complicações psiquiátricas.

Apesar de não haver nenhum meio auxiliar de diagnóstico para a perturbação bipolar, o psiquiatra é o elemento mais bem qualificado para fazer essa avaliação e diagnóstico.

 

Psicoterapia para a Perturbação Bipolar

A psicoterapia para a perturbação bipolar ajuda as pessoas a manterem uma adesão à medicação e a lidarem com as situações da vida que lhes provoca alterações do humor, que por sua vez influencia a forma como as pessoas se relacionam com ela.

A Psicoterapia Cognitivo Comportamental dá conta da prioridade em alterar os pensamentos e comportamentos que derivam das alterações do humor.

 

A Psicoterapia Interpessoal dá conta da complexidade das relações que se estabelecem entre as pessoas e que influenciam as alterações de humor.

 

Familiares, Amigos e Colegas

Os familiares, amigos e colegas podem não compreender a perturbação bipolar. Os periodos depressivos são habitualmente longos e causam frustração por as outras pessoas sentirem impotencia em não conseguir ajudar a pessoa com perturbação bipolar. Nos episódios maníacos as outras pessoas ficam muito assustadas pois os comportamentos exagerados e desadequados são resistentes à racionalidade e neste sentido as outras pessoas não os conseguem fazer mudar. Ter um ambiente social e familiar que compreenda as fases da perturbação bipolar é fundamental. É fundamental saber quando e como conduzir a pessoa com perturbação bipolar ao médico e à psicoterapia.

 

Quando é que é necessário ajuda na Perturbação Bipolar

A maioria das pessoas com perturbação bipolar não se dá conta da necessidade do problema que têm e evitam receber tratamento médico e psicológico. Se é um familiar ou amigo, não evidencie que a perturbação bipolar é uma falha no carácter, na personalidade ou no mau feitio da pessoa, mas antes refira que as alterações de humor são bastantes frequentes e que afectam a maioria das pessoas, no entanto, essas alterações de humor estão a trazer problemas de relação com os outros. Se a pessoa achar que tem toda a razão do mundo para fazer o que faz, não tente chama-la à "razão" pois não vai funcionar. Chame a atenção para o facto de apesar de a pessoa poder ter razão existem formas diferentes de explicar isso às pessoas porque nem sempre elas entendem à primeira. Coloque como objectivo levar a pessoa com perturbação bipolar ao psiquiatra e seguidamente à consulta de psicologia.

 

 

 

Marcar Consulta Psicologia Lisboa

Marcar Terapia Casal

Marcar Consulta Psicoterapia Lisboa

Marcar Consulta Psicologia Porto

publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 15:58
link do post | favorito
Sexta-feira, 29 de Maio de 2015

Baixar Stress, Equilíbrio Físico Psíquico

baixar stress

 

Baixar Stress é muito importante para um regular e bom funcionamento físico e psíquico.

Quando pratica determinados exercícios para baixar stress o seu organismo vai ter menos cortisol, vai baixar o ritmo cardíaco e vai regular a pressão arterial.

Baixar Stress – Respire profundamente

  1. Sente-se calmamente com uma mão em seu estômago, o outro em seu peito.
  2. Respire lenta e profundamente pelo nariz, enchendo seus pulmões.
  3. Prenda a respiração por alguns segundos.
  4. Expire lentamente pela boca até que todo o ar está fora de seus pulmões.
  5. Repita mais quatro vezes.

Baixar Stress – Meditar

É uma prática muito antiga e por alguma razão ainda é utilizada hoje para baixar stress.

Durante alguns minutos por dia, sente-se calma e confortavelmente. Enquanto você faz isso, preste atenção a uma das seguintes coisas: à sua respiração, a um objeto, ao som de uma palavra ou frase (mantra). Quando surgirem pensamento, sensações ou outras distracções, não há qualquer problema, o objectivo não é não pensar ou não sentir, o objectivo é prestar atenção, por isso volte com a atenção para aquela coisa inicial.

Baixar Stress – Exercício

Apenas a 30 minutos de caminhada, natação ou ginástica em casa, por dia vai acalmar sua mente, diminuir a hormona do stress, gastar a adrenalina e libertar endorfinas as substancias químicas que melhoram o humor. No final do dia você sentirá o cansaço, mas dormirá melhor.

Baixar Stress – Imaginação Guiada

Esta técnica tem as mesmas vantagens de relaxamento que a respiração profunda. Funciona assim:

  1. Sente-se num lugar tranquilo e imagine-se num lugar calmo e tranquilo, como uma praia. Imagine-se andar por esse lugar, imaginando todas as cores, cheiros, sensações e sons.
  2. Enquanto esta a imaginar esse lugar calmo faça uma respiração profunda e lenta.
  3. Continue até que se sinta completamente relaxado.
  4. A sensação será tão boa que não lhe irá apetecer voltar lentamente para o mundo real.

 

 

 

 

Marcar Consulta Psicologia Lisboa

Marcar Terapia Casal

Marcar Consulta Psicoterapia Lisboa

Marcar Consulta Psicologia Porto

publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 15:37
link do post | favorito
Segunda-feira, 25 de Maio de 2015

Auto-motivação

perfeccionismo

 

Auto-motivação é o caminho pelo qual enfrentamos as dificuldades, agarramos a vida e prosseguimos os nossos objectivos.

 Auto-motivação – Divirta-se

Decida que o que quer que esteja a fazer é para se divertir. É um jogo que precisa de empenho, dedicação mas também de distanciamento. Só o facto de tomar esta decisão estará já a fazer auto-motivação.

Auto-motivação – Desempenhe um papel

O papel que desempenhar é aquilo que se tornará. Não tente ser o que se quer tornar. Simplesmente seja. Em breve e sem dar conta você tornou-se a pessoa que queria ser.

Auto-motivação – Esteja consigo

Por breves momentos, não faça nada. Respire e esteja somente consigo, enquanto observa os seus pensamentos e sentimentos. Observe-os como fenómenos que acontecem dentro da sua mente. Que não existem fora. Que não são matéria palpável. Que não são física. Apesar de poderosos, eles só existem na realidade da sua mente. Faça isto especialmente quando estiver a passar por situações difíceis, por sentimentos negativos e pensamentos de desistência. Desta forma estará a distanciar-se desses fenómenos e em breve sentirá algo mais positivo.

Auto-motivação – Mantenha-se aprumado

Limpe e arrume o seu ecossistema. O seu meio envolvente tem uma influência enorme na auto-motivação. Quando menos poluído estiver visualmente e auditivamente melhor se sentirá.

Auto-motivação – Use a Imaginação

Utilize ao máximo a imaginação para se ver, ouvir e sentir como se estivesse motivado. É um exercício poderoso que todas as pessoas que procuram auto-motivação fazem. Você imagina o que faz, o que diz e o que sente como se sentisse elevada auto-motivação.

Auto-motivação – Seja você mesmo

Se quer manter e aumentar a auto-motivação, então têm que existir momentos em que você se permite a não querer saber sobre o que os outros pensam de si naquele momento em que está a fazer o que é mais importante para si.

Vire a sua atenção para fazer com que os outros se sintam bem com eles próprios e não se preocupe com o que pensam de si.

A sua vida muda radicalmente quando você tiver este ideal como um dos prioritários.

 Auto-motivação – Pense diferente

Habitualmente você pensa “Todo o problema tem que ter uma solução”, pense antes “Cada solução tem um problema”.

Cada problema tem uma serie de soluções e oportunidades de aprendizagem e escolha. Na realidade você só é verdadeiramente livre e goza do direito de escolha quando tem problemas.

Auto-motivação – Passos pequenos é o segredo

Partir o seu grande objectivo em pequenos passos. Passos tão pequenos que é impossível não conseguir atingir.

Os passos são tão pequenos que será mais fácil começar a andar na direcção desse objectivo.

Qualquer grande objectivo requer que sejam feitos muitos pequenos passos. Por um lado, parece que não estará a fazer nada para conseguir o objectivo, porque os passos são muito pequenos, por outro não lhe custará absolutamente nada começar e continuar. Passado algum tempo você notará a diferença e irá reparar o quando se afastou do inicio e está mais perto do que quer.

Auto-motivação – Faça alguma coisa mal

Não espere até ser perfeito para começar a dar o passo seguinte, para assumir um grande ou pequeno desafio.

Ache graça de haver coisas na vida em que você realmente é um zero. Quando você fizer isso estará a desistir de trabalhar a sua perfeição e começará a trabalhar o seu objectivo.

 

 

 

 

Marcar Consulta Psicologia Lisboa

Marcar Terapia Casal

Marcar Consulta Psicoterapia Lisboa

Marcar Consulta Psicologia Porto

publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 15:31
link do post | favorito
Sexta-feira, 22 de Maio de 2015

Auto-Estima, Porque é tão importante?

Auto Estima

 

Nada é tão importante como a forma ou o modo como sente e pensa acerca de si mesma – Auto-Estima.

Uma opinião favorável acerca de si, acerca do que faz e do amor que tem por si própria, ou seja uma elevada auto-estima, é algo que a maioria das pessoas sente que precisava.

Todas as pessoas sabem que ter uma auto-estima mais elevada melhora a forma como se vive. Mas porquê? Que efeito espetacular é esse que torna a auto-estima tão importante na vida de todas as pessoas?

Com uma auto-estima elevada a vida torna-se mais simples e leve.

Quando gosta de si as coisas tornam-se mais fáceis. Você não faz tempestades em copos de água, pelo menos não tão frequente. Você não se deita abaixo e não se chicoteia simplesmente porque errou, falhou ou não atingiu aquele patamar sobre-humano da perfeição.

Com uma auto-estima elevada você tem mais estabilidade emocional.

Quando a auto-estima é mais elevada, quando a opinião que tem de si é mais favorável, não tem tanta necessidade de tentar a aprovação e a valorização das outras pessoas. Claro que todos precisamos de alguma aprovação e valorização dos outros, essa necessidade é saudável, mas em excesso é difícil de conseguir seguir o seu caminho e o da aprovação ao mesmo tempo. Se a auto-estima for mais elevada, você sente menos necessidade de validação positiva e aprovação e a sua vida emocional deixa de ser uma montanha russa e passa a ser um campo verdejante num dia de primavera.

Com uma auto-estima elevada você tem mais foco para o que lhe é importante e desvia-se menos do acessório.

Se reparar bem, para a maioria das pessoas o pior inimigo são elas próprias, ou seja a forma e o modo como sentem e pensam acerca de si mesmas – baixa auto-estima. Quando se eleva a auto-estima começa-se a sentir que se merece mais da vida e dessa forma irá atrás dessas coisas. Irá empenhar-se e motivar-se em consegui-las, porque sente e pensa que as merece ter. Dessa forma é muito provável que tenha mais êxito em conseguir o que pretende o que faz aumentar a auto-estima. É um ciclo que se auto-alimenta.

Com uma auto-estima elevada você sente que tem mais poder atractivo nas relações.

Quando a auto-estima é mais elevada você tem todos os benefícios descritos o que faz com que seja apetecível estar consigo, conviver consigo. Todas as pessoas gostam de alguém que lhes pareça genuinamente seguro, confiante e com elevada auto-estima. As pessoas que você quer ter na sua vida também querem isso. Estar consigo passa a ser mais fácil. Menos ciúmes, menos desconfiança. Mais motivação, objectivos e dedicação.

 

 

 

 

 

Marcar Consulta Psicologia Lisboa

Marcar Terapia Casal

Marcar Consulta Psicoterapia Lisboa

Marcar Consulta Psicologia Porto

publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 15:17
link do post | favorito
Quarta-feira, 20 de Maio de 2015

Auto-Estima. O que é?

Auto-estima exprime o conceito que cada um tem de si mesmo.

A pessoa auto avalia-se em função das suas qualidades subjectivas e susceptíveis de avaliação que podem ser consideradas positivas ou negativas, mediante as suas experiências de vida.

Auto-Estima.jpg

 

auto-estima é o grau de satisfação pessoal da pessoa consigo mesma…

a eficácia do seu próprio funcionamento e a atitude de aprovação que sente por si próprio. Baseia-se em todos os pensamentos que vamos recolhendo sobre nós ao longo das nossas vidas.

auto-estima tem 3 componentes: cognitiva, afectiva e comportamental.

A componente cognitiva é a opinião que se tem da própria personalidade e conduta; a componente afectiva é a valorização do que há em nós de positivo e negativo e a componente comportamental é a intenção e decisão de actuar.

auto-estima expressa-se através da razão entre o nível de sucesso obtido e as pretensões de cada pessoa. Se não existir equilíbrio entre as pretensões e o sucesso a pessoa tende a baixar a sua auto-estima e a sua auto-confiança.

Você tem uma boa auto-estima?

Faça um TESTE a si próprio.

- tem apreço por si próprio como pessoa, independentemente do que possa fazer ou ter, de tal forma que se considera igual, embora diferente, a qualquer outra pessoa?

- aceita as suas limitações, fraquezas, erros e fracassos e reconhece com tranquilidade os aspectos desagradáveis da sua personalidade?

- está bem consigo mesmo e sente-se bem na sua pele?

- tem em atenção as suas necessidades reais, físicas e psicológicas?

- escuta-se a si próprio e toma consciência do seu mundo interno com um sentimento de amizade?

-tem uma atitude aberta e atenta face ao outro, e reconhece que não podemos viver isolados nem independentes uns dos outros?

Se obteve menos de 4 respostas afirmativas deve procurar melhorar a sua auto-estima.

Muitos problemas psicológicos, como a depressão, a anorexia, os medos, a timidez entre outros, podem surgir numa determinada fase da vida, como consequência de um défice de auto-estima

auto-estima é simultaneamente causa e efeito de um crescimento saudável em todas as dimensões.

 

 

Marcar Consulta Psicologia Lisboa

Marcar Terapia Casal

Marcar Consulta Psicoterapia Lisboa

Marcar Consulta Psicologia Porto

publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 10:28
link do post | favorito
Quarta-feira, 6 de Maio de 2015

Ataques de Pânico

Ataques de Pânico

Ataques de Pânico.jpg

 

 

Apesar dos sintomas de pânico não causarem qualquer colapso no organismo, o sentimento de Pânico é sempre terrível. Imagine um súbito, extremamente elevado e descontrolado sentimento de medo e falta de controlo, acompanhado por sintomas físicos como tremores, dormências, batimento cardíaco super acelerado, sensação de desmaio e dificuldade em manter a respiração calma, calor intenso e dores de estomago ou barriga. Nada agradável.

Nem todas as pessoas que têm ataques de pânico desenvolvem um problema de ansiedade.

Porquê? Porque não evitam as situações aonde tiveram ataques de pânico. Com o tempo os ataques de pânico acabam por desaparecer. A questão é que todos temos um nível de tolerância ao mal-estar e num ataque de pânico esse nível é facilmente ultrapassado porque o mal-estar é extremo. Novamente digo, que nada de mal pode acontecer com um ataque de pânico, mas a mente dispara com pensamentos de fuga e evitamento e parece não conseguir pensar noutra coisa.

O ataque de pânico pode ocorrer apenas uma vez…

mas a maioria das pessoas passa por vários ataques de pânico uma vez tenha sentido os sintomas físicos do primeiro e isso porque se desenvolve um medo natural de voltar a ter ataques de pânico.

Os ataques de pânico recorrentes são muitas vezes provocados por situações específicas, como atravessar pontes, falar em público ou estar em sítios fechados.

Após o primeiro ataque de pânico…

a pessoa fica presa no medo de voltar a ter ataques de pânico, o que faz com que a sua ansiedade ande sempre elevada, e quando se encontra em situações em que se sente ameaçada, por exemplo a ameaça de vergonha, embaraço, de parecer fraca ou incapaz de sair e uma determinada situação, o ataque de pânico dispara.

O tratamento para os ataques de pânico existe e é eficaz!

É possível ter uma vida perfeitamente feliz, mesmo quando já se teve ataques de pânico ou Perturbação de Pânico.

 

 

 

 

Marcar Consulta Psicologia Lisboa

Marcar Terapia Casal

Marcar Consulta Psicoterapia Lisboa

Marcar Consulta Psicologia Porto

tags:
publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 10:06
link do post | favorito
Quarta-feira, 29 de Abril de 2015

Aumentar Motivação pelo Trabalho

Aumentar motivação pelo trabalho é um dos maiores desafios que frequentemente enfrenta na sua carreira profissional.

Aumentar Motivação.jpg

 

 

Seja pelo tipo de trabalho que faz, seja pelo tipo de pessoas que lida, seja pelo tipo de recompensas que recebe pelo que faz. Aumentar a motivação é uma tarefa exigente, árdua e constante.

Será que existe alguma coisa que possa fazer para aumentar motivação pelo seu trabalho? Considere o seguinte:

Aumentar Motivação desenvolvendo convicção.

Convicção é acreditar fortemente no que quer fazer. Acreditar fortemente dá a coragem, a vontade e a energia para dirigir-se para os objectivos. Pergunte-se quais são os seus objectivos de carreira? Como é que esses objectivos de carreira se cruzam com os objectivos da sua empresa? Se quer aumentar motivação pelo seu trabalho tem que acreditar nos objectivos da empresa e para ter um maior sentido e propósito de vida tem que alinhar os seus objectivos de carreira com os objectivos da empresa.

Aumentar Motivação desenvolvendo uma atitude positiva.

Aitude quer dizer a maneira como pensa e a forma como faz as coisas na sua vida. Qualquer que seja a tarefa que tem que fazer encare-a com uma atitude positiva. Uma atitude positiva quer dizer que você tem orgulho e paixão no que faz. Dar o seu melhor para superar a tarefa é uma atitude positiva. E se a tarefa for negativa para si, porque é entediante, stressante, aborrecida, rotineira ou outra coisa qualquer, então a sua atitude de orgulho e paixão é ainda mais positiva. Por que é que isto faz aumentar motivação? Porque isso vai fazer com que você se aproxime dos seus objectivos e dos objectivos da sua empresa. Por incrível que pareça aumentar motivação não tem a ver com a natureza agradável da tarefa mas antes com a sua atitude perante ela.

Aumentar Motivação desenvolvendo admiração.

Admire as qualidades e conquistas das pessoas. Principalmente se forem difíceis de conseguir. Para aumentar motivação comece por mostrar admiração pelas suas qualidades e conquistas. Se pretende que as outras pessoas vejam as suas qualidades e reconheçam as suas conquistas tem que começar você por vê-las e reconhecê-las. Tente perceber a importância do seu trabalho na empresa. Admire as qualidades e as conquistas das outras pessoas e mostre reconhecimento quando apropriado. Todos gostamos de reconhecimento e as pessoas estão mais dispostas retribuir reconhecimento quando o recebem.

Aumentar Motivação desenvolvendo empatia.

Empatia é a capacidade para imaginar e partilhar dos sentimentos e da experiencia de outra pessoa. No trabalho e ao longo da carreira irá conhecer pessoas que não cooperam, que são irrazoáveis, que têm sentimentos negativos perante si, como a inveja, o receio, o excesso de ego, a desconfiança, etc. Essas pessoas são aquelas que mais facilmente a irão desmotivar. Para ultrapassar isso, procure empatizar com as dificuldades dessa pessoa. As dificuldades que a fazem ser negativa perante si. A sua maior capacidade é a compreensão com a incapacidade dos outros. Senão porque estariam a reagir assim? Não será?

Aumentar Motivação mostrando sinceridade.

Sinceridade é dizer e fazer apenas as coisas que realmente acredita. Quando faz o que lhe compete, faça-o com sinceridade. Agradeça quando recebe ajuda. Conteste quando algo lhe desagrada. Diga sinceramente o que pensa. E não diga nada se achar que sinceramente não vai adiantar coisa nenhuma. Seja como for, agir com sinceridade aumenta motivação porque aumenta a coerência da si enquanto pessoa.

 

 

 

Marcar Consulta Psicologia Lisboa

Marcar Terapia Casal

Marcar Consulta Psicoterapia Lisboa

Marcar Consulta Psicologia Porto

publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 10:21
link do post | favorito
Quarta-feira, 22 de Abril de 2015

Ansiedade, O que é?

Ansiedade

 

ansiedade.jpg

 

 

Ansiedade é o termo utilizado para definir alguns problemas que causam nervosismo, medo, apreensão e preocupação.

Os problemas da ansiedade afectam a forma como pensamos, sentimos e agimos na medida em que se manifesta através de sintomas físicos reais.

Enquanto a ansiedade leve e moderada é caracterizada por sensações vagas de mal estar quando a ansiedade é forte e severa esta causa habitualmente uma grande incapacidade para fazer as coisas do dia a dia.

A maioria das pessoas tem um sentimento generalizado de preocupação e apreensão antes de fazer um teste ou falar em público. Este tipo de sintomas é completamente justificado e normal. No entanto, quando a pessoa sente um mal estar que a impede de fazer aquilo que tinha para fazer, ou quando a única opção que a pessoa parece ter é evitar a situação então está com um problema de ansiedade.

Os problemas de ansiedade podem ser entendidos em vários tipos, dois dos mais comuns são descritos em baixo.

Ansiedade – Ansiedade Generalizada

É um problema serio de ansiedade e é caracterizada pela excessiva preocupação e sintomas físicos, acerca de situações específicas do dia-a-dia, nomeadamente com a saúde, dinheiro, família ou trabalho. No entanto, apesar das situações serem especificas a fonte de preocupação é pouco especifica ou difusa. A pessoa não sabe porque se preocupa, simplesmente preocupa-se. A ansiedade é quase sempre desproporcionada em relação às situações. As pessoas que têmansiedade generalizada esperam sempre o pior, o mais catastrófico das situações que lhes causam preocupação e essa ansiedade interfere com o seu modo de vida.

Ansiedade – Ataques de Pânico

Os ataques de pânico são um tipo de ansiedade caracterizada por sentimentos de terror e apreensão ao mesmo tempo que surgem de uma forma muito intensa e rápida sensações de tremores, tonturas, sensação de desmaio, descontrolo, batimento cardíaco acelerado e sensação de dificuldade em respirar. Este tipo de ansiedade surge muito rapidamente em situações novas, mas mais frequentemente em situações aonde já ocorreram outros ataques de pânico. O ataque de pânico leva a que a pessoa passe a ficar com muita atenção aos sintomas no seu corpo o que eleva a apreensão de voltar a ter novos ataques de pânico aumentando desta forma a sua ansiedade.

Ansiedade – Ansiedade Social

É um tipo de fobia que é caracterizada pelo receio e medo de ser negativamente julgado e avaliado pelos outros, assim como uma sensibilidade muito grande à possibilidade de ser humilhado, criticado, rejeitado ou ignorado. Quase todas as situações sociais são tidas com o potencial perigo de algo de mau acontecer. Tudo começa com a timidez na infância, mas na idade adulta a ansiedade social toma a forma de evitamento e receio de intimidade emocional e física.

 

 

Marcar Consulta Psicologia Lisboa

Marcar Terapia Casal

Marcar Consulta Psicoterapia Lisboa

Marcar Consulta Psicologia Porto

tags:
publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 10:03
link do post | favorito
Quarta-feira, 15 de Abril de 2015

Aumentar Autoestima

Aumentar Autoestima.jpg

 

Aumentar Autoestima – Diga PARAR à Auto-Crítica

Uma boa maneira para começar a aumentar autoestima é aprender a lidar e a substituir a voz crítica interior.

Todos temos uma voz crítica. Para alguns ela está sempre presente, para outros só em certas circunstâncias.

Essa voz critica interior serve muito bem para nos empurrar a fazer as coisas, ou para fazermos as coisas para termos uma certa aceitação, ou evitarmos a reprovação ou avaliação negativa dos outros. No entanto, essa mesma voz interior faz o contrário de aumentar autoestima.

Esta voz crítica interior dispara pensamentos destrutivos do tipo “Se não ficares a trabalhar até mais tarde vão pensar que és preguiçoso e descuidado”, “Os outros fariam isto muito melhor e mais rápido”, “Não és tão interessante como aquela colega”.

A primeira coisa a fazer para aumentar autoestima é perceber que estes pensamentos parecem ser verdades para si, mas poderão não corresponder à realidade. Poderão de facto ser a forma como pensa. Mas quantas vezes já deu por si a mudar de ideias, a ter outros pontos de vista, a perceber que numa altura aquilo que parece verdade não o é numa outra ocasião.

A segunda coisa a fazer para aumentar autoestima é simplesmente dizer PARA à sua mente sempre que ela começar a dar-lhe estes pensamentos críticos. Pode até dizer “Não, não, não vás por aí”.

A terceira coisa a fazer para aumentar autoestima é pensar alguma coisa construtiva, que traga um resultado positivo à situação ou a outra situação se não poder fazer nada quanto aquela.

Aumentar Autoestima – Hábitos Saudáveis são Fundamentais

Para tornar a voz critica menos intensa e menos frequente e ao mesmo tempo conseguir motivar-se para os seus objectivos e aumentar autoestima é muito importante que comece a tornar os seus hábitos o mais saudáveis possível.

Uma das formas para começar a ter hábitos de melhorar autoestima e substituir essa voz interior critica é lembrar-se dos benefícios. Escreva diariamente os benefícios de sentirá quando um dia mais tarde tiver muito boa autoestima. Que tipo de pessoa será? O que conseguirá fazer melhor? Que resultados práticos acontecerão na sua vida? Escreva isso todos os dias em 5 minutos. Irá encontrar neste hábito de se lembrar de aumentar autoestima uma forte ferramenta motivacional. Por exemplo, Quando perder peso a sua auto-imagem irá melhorar e sentir-se-á melhor. Quando não fumar irá sentir-se mais forte, seguro e capaz, para além que irá gastar esse dinheiro em roupa ou viagens. Quando ganhar mais dinheiro irá viajar mais, conhecer outras pessoas e realidades diferentes.

Outra das formas para começar a ter hábitos de melhorar autoestima é pensar no que realmente gostaria de fazer. Quando você gosta realmente de alguma coisa a sua motivação dispara como um foguete e fazer essas coisas torna-se fácil e prazeroso. Quando gosta realmente de alguma coisa você puxa por si a ter e ultrapassa com facilidade qualquer resistência. Com base nisso, quando acontecer perder a motivação uma coisa na sua vida pergunte-se “Estou a fazer o que gosto realmente?” Se não está e se for possível mudar então comece a pensar como muda o carril, o caminho. Não será imediato, mas será uma viagem que irá aumentar autoestima quando o conseguir.

 

 

Marcar Consulta Psicologia Lisboa

Marcar Terapia Casal

Marcar Consulta Psicoterapia Lisboa

Marcar Consulta Psicologia Porto

publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 10:17
link do post | favorito
Quarta-feira, 8 de Abril de 2015

Ansiedade, O que é

O que é Ansiedade?

ansiedade.jpg

 

 

Preocupa-se excessivamente com coisas improváveis de acontecer, ou sente tensão e ansiedade durante o dia sem aparente razão para isso?

Todas as pessoas sentem ansiedade ocasionalmente, mas se as suas preocupações e receios são tão constantes que interferem com a sua capacidade para lidar com as coisas da vida de uma forma tranquila, você pode ter um problema de ansiedade..

A ansiedade é física e mentalmente esgotante. Esgota a energia mental, impede que durma tranquilamente e cansa o seu corpo. Mas não tem que viver sempre assim. Você pode libertar-se da prisão da preocupação crónica e aprender a acalmar a sua mente ansiosa.

A ansiedade é um problema comum que envolve preocupação crónica, nervosismo e tensão.

No caso de uma fobia o receio está associado a uma coisa ou situação específica, mas por vezes os motivos da ansiedade são mais vagos, podendo parecer um sentimento geral de inquietação perante as várias situações da sua vida. Este tipo de ansiedade é muito menos intenso do que um ataque de pânico, mas muito mais duradouro, tornando-se difícil e esgotante levar a vida com calma, apreço e relaxamento.

Com ansiedade as pessoas podem preocupar-se com as mesmas coisas que os outros se preocupam: assuntos relacionados com a saúde, pobreza ou crise, problemas familiares, dificuldades no emprego, mas estas preocupações são levadas a um nível diferente, mas catastrófico e negativo. A pessoa leva para a sua vida do dia-a-dia uma preocupação e tensão exagerada, mesmo que haja pouco ou nada que a provoque.

Mesmo que se aperceba que a sua ansiedade é mais intensa do que a situação mereceria ou mesmo que acredite que a sua preocupação está a evitar que alguma coisa corra mal, o resultado final é o mesmo. A pessoa não consegue virar as costas aos seus pensamentos de ansiedade. Eles voltam sempre para dentro da cabeça.

Pensamentos na Ansiedade

Veja se tem alguns dos seguintes pensamentos. A melhor forma de perceber se tem alguma propensão para ter problemas de ansiedade é identificar o que acredita ser a importância de se preocupar. Se acreditar nas seguintes afirmações é muito provável que venha a ter ou tenha Ansiedade.

  • Se não me preocupar, serei descuidado e irresponsável.
  • Se me preocupar, estarei mais preparado quando surgirem acontecimentos imprevisíveis.
  • Preocupo-me para saber o que fazer.
  • Se estiver sempre preocupado, ficarei menos desiludido quando acontecer algo sério.
  • O facto de me preocupar ajuda-me a planear o que devo fazer para resolver um problema.
  • Só o facto de me preocupar pode prevenir que os imprevistos aconteçam.
  • Se não me preocupar, serei uma pessoa negligente e descuidada.
  • O facto de me preocupar confirma que sou uma pessoa prudente.
  • É com a preocupação que me empenho no trabalho que tenho que fazer.
  • Preocupo-me porque me ajuda a encontrar uma solução para os problemas.
  • O facto de me preocupar mostra que sou uma pessoa que toma conta dos assuntos.
  • Pensar demasiado em coisas positivas pode evitar que elas ocorram.
  • Se um azar acontecer, sentirei menos responsabilidade e menos culpa se me tiver preocupado com isso.
  • É através da preocupação que encontro a solução para fazer as coisas.
  • A preocupação estimula-me e faz-me ser mais eficiente.
  • O facto de me preocupar incita-me a agir e motiva-me a fazer as coisas que necessito fazer.
  • O próprio facto de me preocupar reduz o risco de que alguma coisa séria possa acontecer.
  • Através da preocupação, faço determinadas coisas que não decidiria fazer se não me preocupasse.
  • Se me preocupar menos, diminuo as possibilidades de encontrar a melhor solução.

Como se pensa quando se tem Ansiedade?

As seguintes afirmações expressam atitudes que habitualmente as pessoas com ansiedade demonstram ter face à preocupação. Se tiver estas atitudes é muito provável que venha a ter ou tenha ansiedade.

  • Preocupando-me, reorganizo e planeio melhor o meu tempo.
  • Preocupar-me começa como um processo de me preparar para enfrentar novas situações.
  • A preocupação clarifica os meus pensamentos e a concentração.
  • A preocupação funciona como um estimulante.
  • A preocupação desafia-me e motiva-me, sem isso não conseguiria muito na vida.
  • No fundo sei que não necessito de me preocupar tanto, mas não consigo evitar.
  • A preocupação dá-me a oportunidade para analisar as situações e trabalhar os prós e contras.
  • A preocupação permite-me trabalhar o pior que pode acontecer, portanto quando isso não acontece, as coisas são melhores.
  • A preocupação faz-me fazer coisas porque aumenta os meus níveis de adrenalina.
  • Se tenho que fazer alguma coisa, tenho que me preocupar com isso.
  • A preocupação faz-me reflectir na minha vida quando me coloca questões que normalmente não me colocaria se estivesse tranquilo.
  • A preocupação acrescenta apreensão ao problema e como tal conduz-me a explorar diferentes possibilidades.
  • A preocupação aumenta a minha consciência, o que faz aumentar o meu desempenho.

Consequências da Ansiedade

As seguintes afirmações expressam as consequências que habitualmente as pessoas com Ansiedade demonstram ter face na sua vida diária. Se tiver estas atitudes é muito provável que venha a ter ou tenha Ansiedade.

  • Preocupar-me distorce o problema que tenho e portanto sou incapaz de o resolver.
  • Preocupar faz-me sentir deprimido e portanto dificulta-me a concentração e o empenho nas coisas.
  • Quando estou preocupado, estou impedido de agir decididamente.
  • A preocupação enfraquece o meu nível de energia na resposta aos acontecimentos que me preocupam.
  • A preocupação faz-me sentir tenso e irritado.
  • A preocupação faz-me sentir stress.
  • A preocupação impede-me de lidar com certas situações.
  • A preocupação torna-me irracional.
  • A preocupação põe-me agitado.
  • A preocupação aumenta a minha ansiedade e portanto diminui o meu desempenho.
  • A preocupação impede-me de pensar claramente.
  • A preocupação faz-me focar nas coisas erradas.
  • Torno-me paranoico quando me preocupo.
  • A preocupação dá-me um ar pessimista e fatalista.

A diferença entre Ansiedade “Normal” e um problema de Ansiedade

Preocupação, duvidas, incertezas e receios fazem parte da vida. É normal sentir ansiedade perante algo importante no futuro ou preocupação com as finanças ou com a saúde do próprio ou de alguém. A diferença entre ter ansiedade “normal” e um problema de ansiedade é que num problema de ansiedade a preocupação é:

Ansiedade “Normal” tem as seguintes características:

  • A ansiedade não impede que faça as suas actividades e responsabilidades diárias.
  • A pessoa sente um controlo sobre a ansiedade.
  • Apesar da ansiedade ser desagradável a pessoa sente que não desorganiza o raciocínio.
  • A ansiedade está circunscrita a um certo número de coisas.
  • Os acessos de ansiedade são limitados no tempo.

Um Problema de Ansiedade, tem as seguintes características:

  • A ansiedade impede frequentemente que faça as suas actividades e responsabilidades diárias.
  • A pessoa sente que a ansiedade é incontrolável.
  • A ansiedade é extremamente desgastante e desorganizadora.
  • A pessoa preocupa-se com todo o tipo de coisas desde as mais significativas às menos importantes e tende sempre a esperar que aconteça o pior.
  • A ansiedade é uma constante quase todos os dias.

Queixas na Ansiedade

As queixas na Ansiedade tendem a mudar e a apresentar-se de formas diferentes. É frequente a pessoa sentir-se melhor nuns dias que outros, e melhor em algumas alturas do dia e pior noutras. E apesar do stress diário não provocar ansiedade pode no entanto acentuar os sintomas.

Nem todas as pessoas com Ansiedade apresentam as mesmas queixas. No entanto, a maioria das pessoas com Ansiedade refere queixas dos seguintes sintomas:

Queixas emocionais quando existe ansiedade:

  • Preocupações constantes que não saem da cabeça.
  • Sentimento que a ansiedade é incontrolável.
  • Sentimento que não há nada que consiga fazer para parar a preocupação.
  • A pessoa sente que os pensamentos de preocupação aparecem sem a pessoa querer tê-los, esforçando-se ao máximo para se “ver livre” deles sem conseguir.
  • A pessoa sente uma grande dificuldade em lidar com a incerteza. Como se necessitasse de saber exactamente como as coisas vão acontecer.
  • A pessoa sente quase constantemente um sentimento de apreensão.

Queixas físicas quando existe ansiedade:

  • Sensação de tensão. Rigidez muscular. Músculos presos.
  • Dificuldade para adormecer ou manter um sono tranquilo, porque a mente não para de pensar.
  • Sensação de cansaço.
  • Sensação de “estar à beira do esgotamento”.
  • Sentimento de inquietação.
  • Problemas de estômago, náuseas ou vómitos.

Outras queixas na ansiedade:

  • Dificuldade em relaxar, divertir, aproveitar o tempo.
  • Dificuldade em ser o mesmo. Como se a pessoa usasse uma mascara o tempo todo.
  • Dificuldade de concentração.
  • Frequentemente a pessoa coloca as coisas de lado porque se sente esmagada e cansada pela ansiedade.
  • Na maioria das vezes a pessoa evita situações que a deixem ansiosa.

 

 

Marcar Consulta Psicologia Lisboa

Marcar Terapia Casal

Marcar Consulta Psicoterapia Lisboa

Marcar Consulta Psicologia Porto

publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 09:57
link do post | favorito
Terça-feira, 31 de Março de 2015

Atitude Positiva, Como Ter

Já alguma vez deu por si a reparar naquelas pessoas que irradiam felicidade e boa energia e desejou sentir-se assim?

Talvez se tenha perguntado "Porque é que eles têm tantos amigos?", "Porque é que são tão aceites?", "O que é que têm que faz deles tão especiais?"

O que essas pessoas têm é chamado de atitude positiva.

Ter uma atitude positiva ajuda a obter o que quer da vida e enquanto isso não acontece vai-se divertindo e rindo.

atitude positiva.jpg

 

Atitude Positiva - Apaixone-se pela sua vida

Entusiasme-se por ser quem é, tal como é. Valorizando as melhores qualidades e aceitando as falhas. Acompanhe cada momento da sua vida como se fosse único e especial. Ignorando que esse momento se pode repetir novamente. Saboreando cada e todos os momentos, deixando o passado e o futuro aonde eles realmente estão. Na sua cabeça.

Atitude Positiva - Não reaja

Haja..de agir. Tenha proactividade e pense nas coisas que quer que aconteçam. Planeie, antecipe e sonhe. Não espere que as coisas se desenrolem pois é provável que a sua mente registe melhor os momentos negativos.

Atitude Positiva - Acredite que cada momento é perfeito

Independentemente do que se passe no momento seguinte, cada momento é uma oportunidade única para aprender e fortalecer-se. Mesmo os momento mais difíceis fazem parte da vida e quando vamos a baixo estamos a aprender a sermos mais fortes e capazes. As coisas más acontecem. E passam. Podemos precisar de ajuda. Precisar de apoio. De alguém. Mas somos capazes de ultrapassar.

Atitude Positiva - Agradeça

Gratidão é a forma mais simples e difícil de apreciar a vida. Não há nada de errado em ter sonhos e objectivos. Muito pelo contrário. Mas enquanto as coisas não são como quer que sejam, aprecie o que tem, mesmo que seja pouco é mais que nada.

Atitude Positiva - Aproveite cada oportunidade

Aproveite cada milímetro de oportunidade que a vida lhe propuser em vez de se lamentar mais tarde. Sempre que tiver a oportunidade para fazer algo novo e diferente, não ande às voltas com os prós e contras. Pense um pouco e siga a intuição. Se a intuição lhe disser para avançar, força, vá em frente. As novas oportunidades são uma forma espectacular de desfrutar a vida.

Atitude Positiva - Proteja o sentido de humor

Aprenda a rir e as pessoas gostarão de estar perto de si. Rir cria uma energia positiva dentro de si e em quem está perto. Não tenha problema em olhar para aqueles pequenos momentos em que a vida é mesmo divertida.

Atitude Positiva - Você controla o seu destino

Ninguém tem o poder de lhe roubar os sonhos. Se tiver determinação e força de vontade, você consegue ultrapassar barreiras inimagináveis. O sucesso é aquilo que você quer que seja. Mesmo que não faça nada você continua a criar a sua vida, por isso porque não fazer algo para se recordar?

 

Marcar Consulta Psicologia Lisboa

Marcar Terapia Casal

Marcar Consulta Psicoterapia Lisboa

Marcar Consulta Psicologia Porto

publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 10:12
link do post | favorito

O Consultório Psicologia Familiar é desenvolvido pela Clínica Psicologia Lisboa.

TORNE-SE FÃ DA NOSSA PÁGINA
psicoterapiaDr. Pedro Albuquerque licenciou-se em Psicologia Clínica e do Aconselhamento, especializou-se em Psicoterapia de Grupo, Terapia de Casal e Coaching. Desenvolveu a sua práctica clínica no Hospital Júlio de Matos e em clínicas privadas. Possui estudos de doutoramento em Psicologia Clínica, pela Universidade de Coimbra. Formação em EMDR e Programação Neuro-Linguistica. É membro da Sociedade Portuguesa de Psicodrama, da Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar, da Sociedade Portuguesa de Psicoterapias Construtivistas e da Associação Portuguesa para o Mindfulness. É fundador da Clínica Psicologia Lisboa.

psicoterapiaDr. Ana Teresa Marques licenciou-se em Psicologia Clínica, especializou-se em Psicoterapia Individual, Terapia de Casal e da Familia. Desenvolveu a sua práctica clínica no Instituto de Cardiologia Preventiva e em clínicas privadas. É membro da Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar. É membro fundador da Associação Portuguesa para o Estudo e Prevenção dos Abusos Sexuais de Crianças e da Associação EMDR Portugal. É fundadora e Directora Clínica da Clínica Psicologia Lisboa.


CONTACTOS:
Morada: Av. João XXI, nº. 28, 2º.Dir, Lisboa
Telefone: 96 140 49 50
Telefone: 91 437 50 55
Email: clinica.psicologia.lisboa@gmail.com
Site: www.clinicapsicologialisboa.com

PESQUISAR NESTE BLOG

 

tags

todas as tags

links

SUBSCREVER FEEDS