Bem-vindo(a) ao Consultório Psicologia Familiar. Aqui poderá expor as suas questões e obter informações úteis sobre Vida Familiar.
ENVIE A SUA QUESTÃO.
As respostas às suas dúvidas atendem a diversos critérios. Neste serviço, não serão consideradas válidas questões com falta de enquadramento ou situações de emergência que só possam ter encaminhamento imediato. Nenhuma resposta pressupõe um diagnóstico por parte da nossa equipa nem a substituição de um acompanhamento especializado.

POSTS RECENTES

Tipos de Ansiedade

Problemas de Ansiedade

Problemas de comunicação

Auto-Estima

Psicoterapia para Depress...

Casal Feliz, Como ser?

Casal e os Filhos de outr...

Bom relacionamento

Boa Relação Intima

Perturbação Bipolar

ARQUIVOS

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Setembro 2011

Terça-feira, 19 de Junho de 2012

Se quer vá buscar…

felicidade amor casal férias

 

 

Quantas vezes nos surgem amigos desesperados porque a pessoa que amam não lhes demonstra interesse, ou já não tem o mesmo interesse, ou a
relação entre ambos não é satisfatória apesar de existir amor.

 

Se na adolescência havendo atracção física entre duas pessoas surge uma relação, na idade adulta e com a atingir da maturidade emocional, as pessoas tendem a querer mais e melhor. Não é por acaso que as relações na adolescência são tão efémeras já que nessa fase de vida maçãs e laranjas colocam-se ao acaso no mesmo cesto.

Na vida adulta e principalmente a partir dos “trinta” citrinos querem-se com citrinos. Quero com isto dizer que as pessoas começam a “escolher-se” por diversos factores e não apenas pela atracção física: o status social, os valores, o nível de escolaridade, o trabalho, a forma de pensar, a educação, são entre outros, factores de grande peso para a escolha de um parceiro na idade adulta, pois serão factores que nos acompanharão para sempre durante o processo relacional.

Quem nunca ouviu queixumes sobre a família do cônjuge de determinada pessoa. E o quanto é difícil a adaptação a essa família.

Logicamente quanto mais “diferentes” forem as famílias de ambos, mais peso terá a herança transgeracional na relação. Mas acima de tudo e todos, estará sempre o amor e a generosidade do casal, que pode ou não ser suficiente para suportar as agruras do dia-a-dia.

Hoje em dia, homens e mulheres, numa postura muito própria nesta era, não mantêm relacionamentos negativos, a não ser que os mesmos lhes reforcem o ego e as defesas de alguma forma, preferindo perder o amor do que viver num estado de permanente mal-estar.

Numa actualidade onde raras são as mulheres que se mantêm como no passado, apenas como donas de casa, o que as fazia dependentes dos maridos ou pais, na actualidade as relações já não são simples estados, como se fossem relações sanguíneas e permanentes.

Hoje vemos a vida como única e especial e a nós mesmos como merecedores de mais e melhor.

 

-Quem se encontra em estado de vegetação na relação, deveria pensar se quer acordar e reinvestir na relação ou pelo menos em si mesmo.

-Quem se encontra numa relação difícil mas com muito amor, deveria dar prioridade em descobrir e resolver as questões que estão a minar a relação.

-Quem está sozinho deveria reflectir sobre o que quer realmente, sendo que caso prefira estar só deve continuar e caso queira encontrar uma pessoa com quem partilhar a sua vida deve iniciar um processo de mudança.

-Quem está bem, e tem uma relação 5 estrelas, deve recordar-se diariamente que foi abençoado, pelo que deve mimar a pessoa com quem comparte a
sua vida e alimentar constantemente a relação.

 

Claramente, no inicio das relações as coisas costumam estar bem, mas com o passar do tempo, a segurança instala-se na relação e deixa de haver um investimento tão forte no outro.

Quem não se recorda dos primeiros tempos, em que tudo era perfeito?  Onde você se sentia sempre em primeiro lugar?

Se tem saudades destes tempos, vá buscá-los. Traga-os de volta para a sua vida antes que seja tarde demais.

 

Siga Clínica Psicologia Lisboa

publicado por Clínica Psicologia Lisboa às 22:07
link do post | favorito

O Consultório Psicologia Familiar é desenvolvido pela Clínica Psicologia Lisboa.

TORNE-SE FÃ DA NOSSA PÁGINA
psicoterapiaDr. Pedro Albuquerque licenciou-se em Psicologia Clínica e do Aconselhamento, especializou-se em Psicoterapia de Grupo, Terapia de Casal e Coaching. Desenvolveu a sua práctica clínica no Hospital Júlio de Matos e em clínicas privadas. Possui estudos de doutoramento em Psicologia Clínica, pela Universidade de Coimbra. Formação em EMDR e Programação Neuro-Linguistica. É membro da Sociedade Portuguesa de Psicodrama, da Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar, da Sociedade Portuguesa de Psicoterapias Construtivistas e da Associação Portuguesa para o Mindfulness. É fundador da Clínica Psicologia Lisboa.

psicoterapiaDr. Ana Teresa Marques licenciou-se em Psicologia Clínica, especializou-se em Psicoterapia Individual, Terapia de Casal e da Familia. Desenvolveu a sua práctica clínica no Instituto de Cardiologia Preventiva e em clínicas privadas. É membro da Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar. É membro fundador da Associação Portuguesa para o Estudo e Prevenção dos Abusos Sexuais de Crianças e da Associação EMDR Portugal. É fundadora e Directora Clínica da Clínica Psicologia Lisboa.


CONTACTOS:
Morada: Av. João XXI, nº. 28, 2º.Dir, Lisboa
Telefone: 96 140 49 50
Telefone: 91 437 50 55
Email: clinica.psicologia.lisboa@gmail.com
Site: www.clinicapsicologialisboa.com

PESQUISAR NESTE BLOG

 

tags

todas as tags

links

SUBSCREVER FEEDS