Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório Psicologia Familiar

Bem-vindo(a) ao Consultório Psicologia Familiar. Aqui poderá expor as suas questões e obter informações úteis sobre Vida Familiar.

Consultório Psicologia Familiar

Bem-vindo(a) ao Consultório Psicologia Familiar. Aqui poderá expor as suas questões e obter informações úteis sobre Vida Familiar.

Os Homens e os Seus Erros na Sexualidade com Mulheres (Parte I)

27.04.12, Clínica Psicologia Lisboa

Clínica Psicologia Lisboa Sexualidade

 

Imagine que está a aprender a conduzir pela primeira vez. Alguém lhe dá livro de instruções do carro para ler, e entrega-lhe as chaves. Acha que se os condutores aprendessem dessa maneira, alguém andaria seguro na estrada? Todos sabemos que não é assim.

 

Nas questões da sexualidade também não é diferente.

 

Durante uma fase da vida os homens veem alguns factos básicos da sexualidade, e depois procuram decifrar as peças da sua sexualidade e da companheira, de forma a conseguir montar o grande puzzle do prazer. E acredite-se ou não, tudo isto é feito por tentativa e erro. Tal como aprender a
conduzir. Tentativa…Erro…Tentativa…Acerto.

Claro que a experiencia é muito importante, mas não é tudo. Existem alguns erros que os homens cometem apesar de terem experiencia. Porquê?

 

Nas próximas linhas tentaremos desvendar alguns desses mistérios.

 

Creio que na base se deve a ideias pré-concebidas que os homens têm acerca da sexualidade e que tentarei expô-las.

 

1ª Ideia pré-concebida “Eu sei como satisfazer uma mulher”

Os homens assumem que a maneira como eles aprenderam para agradar uma mulher funciona com todas as mulheres. Não é assim.

Cada vez que existe relação sexual, o conhecimento do homem acerca do corpo e do prazer feminino cresce. No entanto a sexualidade feminina é altamente individualizada e nesse sentido é complicado fazer generalizações.

O corpo feminino responde de maneiras diferentes a estimulações diferentes porque as sensações são sentidas de forma diferente. As anatomias são
diferentes. O que pode ser fantástico para uma mulher, pode noutras situações não dizer nada ou ser mesmo desconfortável.

Há quem diga que descobrir a sexualidade feminina é um trabalho de detetive à procura da impressão digital sexual da mulher. Nesse
sentido partir da ideia pré-concebida “Eu sei como satisfazer uma mulher” é como um detetive saber quem é o culposo sem ainda ter visto o caso.

 

2ª Ideia pré-concebida “Há sexo se houver vontade sexual”

Muitas vezes os homens esquecem-se que para as mulheres o sexo é uma extensão da sua vida emocional e relacional. Este esquecimento claramente que não se deve a qualquer deformação de caracter ou maldade masculina. Simplesmente aqui parece imperar muito a diferença de géneros.

A relação sexual é um culminar de sentimentos, emoções, expectativas, desejos e fantasias que se vão vivendo muito antes da intimidade corporal propriamente dita. E nesse sentido é necessário que o homem se lembre sempre que a sexualidade feminina é uma extensão do que a mulher pensa, sente, vê e ouve fora da cama. No fundo, o homem pode considerar que se quiser realmente dar prazer à mulher deve ter em atenção o antes, o durante e o depois.

 

Todo o comportamento do homem, antes, vai estar ele na cama, durante.

 

Clínica Psicologia Lisboa

Consultório Terapia Casal

Consulta Psicoterapia Lisboa

Clínica Psicologia Porto

Tarefas Domésticas: Conflito ou Negociação?

18.04.12, Clínica Psicologia Lisboa

Clínica Psicologia Lisboa Tarefas Domésticas

 

A divisão das tarefas domésticas sendo um dos mais frequentes problemas de relacionamento relatados pelos casais, é uma das áreas de negociação que deveria ser das mais fáceis de resolver, mas geralmente não é assim.

 

Uma das razões prende-se com o facto de tradicionalmente o homem não faz a sua parte na limpeza da casa, nas compras de supermercado, no lavar
a roupa ou a loiça. Pode dever-se a não ter sido habituado na casa dos seus pais, mas o facto é que colocar estas tarefas sobre a mulher justificando-se consciente ou inconscientemente com a sua infância cria na maioria das vezes situações que são sentidas como falta de respeito.

 

O homem pode até acreditar que as tarefas domésticas são obrigação de ambos, mas muitas vezes o seu comportamento diz o contrário.

 

Uma outra questão que potencia este problema é que frequentemente a mulher personaliza negativamente este comportamento do homem sentindo-se atingida no seu valor – que ele não valoriza o seu esforço, que ele não aprecia a sua dedicação, que ele não a ama.

 

Por vezes os homens referem que nem reparam que a mulher está a fazer o trabalho todo de casa. Depois de reconhecerem que falharam nesse compromisso pedem desculpa, mas surpreendentemente a coisa habitualmente dura pouco; a mulher censura, critica e resmunga perante a falta de atenção devida, uma posição que a maioria das mulheres detesta.

 

Uma boa técnica para minimizar esta diferença é preparar uma espécie de contracto no qual são listadas todas as coisas essenciais relacionadas com as tarefas domésticas.

 

Neste contracto, faça duas colunas para cada tarefa. Uma das colunas servirá para registas quem faz a tarefa actualmente. A segunda coluna irá reflectir o resultado da negociação, ou seja: quem concorda em fazer essa tarefa no futuro.

 

Entre as tarefas habituais de compras para a casa, cozinhar, lavar e estender a roupa, passar a ferro, limpar as casas de banho, aspirar e limpar o pó, não se deve esquecer as tarefas relacionadas com os filhos, o ver o correio, o pagamento de contas, o controlo financeiro, a papelada burocrática, despejar o lixo, lavar e aspirar o carro, etc.

 

O benefício de fazer esta negociação é que ela é tanto um mapa anti-esquecimento e anti-distracção como é um contracto de compromisso no sentido de reforçar o entendimento da realidade que ambos acordaram estar a decorrer.

 

Clínica Psicologia Lisboa

Consultório Terapia Casal

Consulta Psicoterapia Lisboa

Clínica Psicologia Porto

O Casamento e as Plantas!

11.04.12, Clínica Psicologia Lisboa

 

Um casamento é como uma planta. Se você der água à planta, sol e ar, ela floresce. Um casamento requer uma quantidade certa de carinho, atenção, compreensão e confiança para que possa crescer.

 

Apesar de todas as pessoas estarem com óptimas intenções quanto ao futuro da relação, a felicidade no casal não depende exclusivamente das intenções predefinidas. A felicidade e a duração da relação depende mais do que cada uma das pessoas entende ser para si a felicidade e se está a receber isso do outro no seio da relação.

O que me apercebo enquanto terapeuta de casais é que quando a pessoa ainda não encontrou a felicidade dentro de si mesmo, as suas tentativas para fazer o outro feliz são inúteis e só trazem frustração. O primeiro passo é aprender a ser feliz.


Um dos exercícios que faço quando recebo casais é pedir-lhes para que façam uma lista de coisas que cada um acredita que os faz feliz na relação com o outro. Na maioria das vezes as pessoas ficam surpreendidas quando lêem a dista do companheiro(a) e se apercebem do quão fácil é fazer o outro
feliz.

 

Exemplos relatados para fazer a sua mulher feliz:

 

  • Enviar ao longo do dia SMS de afecto, atenção e carinho
  • Fazer o jantar de vez em quando. Os maridos que cozinham têm relações mais felizes.
  • Ajudar a arrumar e a limpar após as refeições. Muitos casais discutem acerca das tarefas domésticas. Se as tarefas de casa forem feitas a dois, ocupam metade do tempo, deixando a outra metade para o romance.
  • Trate-a por um nome carinhoso especial.
  • Diga “Amo-te” quando a vê e quando se despede dela.
  • Assinale ocasiões especiais no calendário. Não existem assim tantas datas para recordar. Lembre-se especialmente do dia de anos, o aniversário de casamento e o dia em que começaram a namorar.
  • Diga-lhe o quanto gosta do toque e do cheiro dela.
  • Convide-a para o cinema ou restaurante como se fosse um encontro de namoro.
  • Dê banho e leia uma historia aos miúdos.
  • Elogie as escolhas de roupa. Elogie a ela e não a roupa.
  • Ofereça flores.
  • Dê-lhe uma massagem.
  • Despeje o lixo.
  • Leve-a a jantar fora, ou traga comida feita para casa e surprenda-a. Verifique primeiro se ela ainda não preparou o jantar.
  • Diga-lhe "Eu confio em ti para…" e termine a frase com uma afirmação positiva.
  • Dê-lhe um beijo sem precisar de razões.
  • Permaneça calmo se ela está a ter uma longa conversa ao telefone com a amiga, com a mãe, ou com a irmã. Estes telefonemas são sempre para que ela tenha suporte emocional e nesse sentido são também importantes para si.
  • Aprenda a utilizar a máquina de lavar roupa.
  • Vá às compras quando ela faz questão. Considere isso como tempo de qualidade. Aproveite para ver artigos para si.
  • Limpe a casa de banho antes de sair.
  • Leve-lhe pequenas lembranças.
  • Dê-lhe a mão, mesmo se estiverem pessoas por perto. É uma manifestação pública de afecto e isso é importante para ela.
  • Surpreende-a. Compre um fim-de-semana fora. Avise-a com antecedência.
  • Tenha fotografias dela no telemóvel.

 

 

A vida é muito mais fácil quando você sabe o que o faz feliz a si e ao seu outro.

 

Clínica Psicologia Lisboa

Consultório Terapia Casal

Consulta Psicoterapia Lisboa

Clínica Psicologia Porto