Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório Psicologia Familiar

Bem-vindo(a) ao Consultório Psicologia Familiar. Aqui poderá expor as suas questões e obter informações úteis sobre Vida Familiar.

Consultório Psicologia Familiar

Bem-vindo(a) ao Consultório Psicologia Familiar. Aqui poderá expor as suas questões e obter informações úteis sobre Vida Familiar.

Má Relação, como evitar

21.03.14, Clínica Psicologia Lisboa

má relação

 

Existem algumas regras para evitar cair numa má relação.

Para evitar uma má relação tem que haver amor, intimidade emocional e sexual e romance.

Estes são os pilares de um relacionamento amoroso e a forma de evitar uma má relação. Haver uma grande sintonia na cama não basta, tem que haver o desejo de estar junto e partilhar a vida com a outra pessoa. Esse desejo é o combustível para o amor.

Para evitar uma má relação tem que haver partilha de objectivos, metas e desejos mútuos.

Acredite que para evitar uma má relação você vai ter que tornar os seus sonhos como objectivos do casal. Vai ter que ter um projecto comum que é a soma dos sonhos individuais de cada um. O compromisso é trabalharem juntos. A desvantagem é que a liberdade está mais condicionada. A vantagem é que o trabalho de equipa – a dois – é mais gratificante que o trabalho solitário.

Para evitar uma má relação tem que haver compaixão, aceitação e perdão.

São muitos os erros, as falhas e as omissões que as pessoas cometem umas com as outras quando estão numa relação. É quase impossível evitar isso. Por isso é imprescindível que haja compaixão pelas dificuldades do outro, aceitação pelas insuficiências e perdão com os erros.

Para evitar uma má relação tem que haver um desejo mutuo de intensificar a relação com coisas fora da relação.

As relações que se tornam pouco gratificantes são aquelas que habitualmente as pessoas se fecham sobre elas próprias ou sobre as questões da relação. É necessário que a relação esteja aberta ao mundo que rodeia cada uma das pessoas. Mas suficientemente protegida para que não haja influencia que coloque em perigo a consistência e a unicidade do casal.

Para evitar uma má relação tem que haver a capacidade para admitir erros e falar sobre eles.

Tem que se ter uma boa capacidade para se colocar no lugar do outro. Estar aberto a outras perspectivas. Ter a capacidade para não abdicar das suas convicções mas ter a flexibilidade para mudar de ideias. Estar numa relação implica que se tenha essa postura. Apesar da outra pessoa poder ter uma forma de ser e pensar diferente da sua ela não é o inimigo. É suposto que existam diferenças entre os dois e é suposto admitir que por vezes você está errado e aprender com isso.

 

 

Clínica Psicologia Lisboa

Consultório Terapia Casal

Consulta Psicoterapia Lisboa

Clínica Psicologia Porto

Bom relacionamento

18.03.14, Clínica Psicologia Lisboa

Bom relacionamento 

 

Um bom relacionamento não sobrevive se for deixado ao sabor do vento.

Um bom relacionamento precisa de cuidados e carinho que as duas pessoas vão dando um ao outro de forma a criar uma ligação reciprocamente benéfica.

Para promover um bom relacionamento, profundo e intimo, é preciso que a relação tenha determinadas que as pessoas não se podem esquecer.

Um bom relacionamento implica que haja uma comunicação carinhosa, constante e honesta.

Se não houver conversa, comunicação e diálogo é difícil haver um bom relacionamento. Quanto mais se comunicar, o mais ligação se vai sentir, mesmo que alguns temas possam ser desagradáveis. Não pare de comunicar.

Um bom relacionamento implica que haja uma verdadeira e sincera vontade de trabalhar os desentendimentos e as diferenças.

Tenha consciência que se desistir de resolver as diferenças e de encontrar as semelhanças você estará a desistir de ter um bom relacionamento. As situações até podem ser tensas, desconfortáveis e frustrantes, mas tem que acreditar que o afecto positivo – o amor - está do outro lado da moeda. A dificuldade nestas alturas é virar a moeda

Um bom relacionamento implica que haja sentido de humor, diversão e distração das obrigações da vida.

Um bom relacionamento precisa de ar fresco para respirar. Esse ar fresco é a capacidade que as pessoas têm de implicar bom humor, diversão, novidade e distração, nas rotinas do dia-a-dia. Traga a outra pessoa para as coisas que você gosta de fazer, não faça sozinho, mesmo que precise daquele tempo só para si. Inclua a outra pessoa. Faça-a tornar-se parte dessa parte da sua vida.

Um bom relacionamento implica que você partilhe as lições que a vida vai ensinando.

Quem está na vida para viver percebe rapidamente que existem muitas lições a aprender. Porque existem muitos erros que se fazem e muitas falhas que se cometem, também existe muita oportunidade para aprender. Para um bom relacionamento, partilhe com a outra pessoa essas aprendizagens e perceberá o quanto a outra pessoa fica gratificada por lhe estar a proporcionar esse enriquecimento.

Um bom relacionamento implica que você dê e receba apoio emocional, validação e valorização incondicional e exclusiva.

Um bom relacionamento tem por base a troca reciproca de necessidades. Algo que um precisa é provido pelo outro. Todas as pessoas têm as suas necessidade pessoais, no entanto é unanime considerar que todas as pessoas precisam de valorização, apoio emocional e validação como sinal de unicidade e consistência da relação.

 

 

Clínica Psicologia Lisboa

Consultório Terapia Casal

Consulta Psicoterapia Lisboa

Clínica Psicologia Porto

Para uma Relação Fantástica

12.03.14, Clínica Psicologia Lisboa

relação fantástica

Qual a diferença entre uma relação fantástica e uma relação assim-assim?

Na verdade, as diferenças são muito pequenas. Não são necessárias coisas inacessíveis, difíceis ou estranhas para transformar a uma relação numa relação fantástica.

Relação Fantástica – Compreender e Conhecer as Necessidades do Outro

A principal razão pela qual as relação podem não resultar bem não é tanto por existirem conflitos, falta de comunicação ou diferenças na dinâmica sexual. A principal razão tem a ver com a frustração, com o desapontamento diário, pelo vazio de entendimento entre as duas pessoas face às necessidades uma da outra.

Para limpar essa frustração tem que começar a falar das necessidades, desejos e objectivos que não estão a ser realizados. A outra pessoa tem que ter a capacidade para ouvir, compreender e indicar alternativas para que se consiga atingir o que a pessoa quer se for humanamente possível.

Relação Fantástica – Dar e Receber Carinho Amoroso

Os homens que recebem mais reconhecimento das suas mulheres dizem sentir-se mais felizes. Reconhecimento como palavras e gestos que demonstram apreço, respeito e amor. E é provável que os homens precisem de mais reconhecimento que as mulheres, uma vez que as mulheres obtêm de outras formas e mais frequentemente, através de amigas, conhecidos ou desconhecidos, reconhecimento. É extremamente raro que os homens obtenham esse reconhecimento por parte dos outros, por isso precisarem tanto do das suas mulheres. Por outro lado, os homens também estão mais disponíveis a responder com reconhecimento, atenção e valorização quando são reconhecidos ou apreciados.

Relação Fantástica – Falar e Estar um com o Outro

É importante para uma relação fantástica que as pessoas possam e consigam estar uma com a outra a falar sobre assuntos que não tenham a ver com os filhos, contas e responsabilidades. Falar do dia-a-dia, dos objectivos, das vontades, dos desejos. Falar de banalidades, frivolidades e coisas menos sérias.

 

 

Clínica Psicologia Lisboa

Consultório Terapia Casal

Consulta Psicoterapia Lisboa

Clínica Psicologia Porto

Relação Amorosa...Duas Verdades, Duas Realidades

04.03.14, Clínica Psicologia Lisboa

Relação Amorosa

 

A relação amorosa tem a ver com o envolvimento de duas pessoas, são o equivalente a “estradas afectivas” de dois sentidos. Por isso, quando as coisas não estiverem a correr bem não se coloque o extremo que o problema é exclusivamente da outra pessoa, nem se coloque no outro extremo em que a culpa é só sua.

A relação amorosa são duas pessoas, duas verdades, duas realidades.

Na relação amorosa ambas as pessoas têm que participar activamente na relação mantendo-a positiva, construtiva e saudável. Como em qualquer organismo dinâmico, com vida, existem momentos em que a relação amorosa não está saudável, isso não é grave. Sabemos que quando um sistema dinâmico sobrevive a uma ameaça ou crise, ele fortalece-se, torna-se imune a essa ameaça. Na relação amorosa é a mesma coisa, quando as pessoas conseguem ultrapassar a crise a relação amorosa fica mais forte, mais resistente. O problema é conseguir ultrapassar a crise, a ameaça.

 

Toda a relação amorosa é diferente. Não existe a forma certa para que uma relação funcione bem ou funcione mal. Existem indicações acerca do que costuma ser importante na relação amorosa, mas no fim cada casal tem as suas próprias regras, hábitos, rotinas e verdades. A questão é se conseguem comunicar isso um ao outro dentro da relação amorosa e manter a dinâmica viva.

 

Neste sentido é importante compreender que toda a relação amorosa é diferente de outra. Não é útil comparar a sua relação amorosa com a dos seus pais, amigos, colegas, familiares ou mesmo com relações amorosas passadas, nem mesmo com aquela relação amorosa que parece perfeita.

 

A sua relação amorosa é única e se precisa ser melhorada então tem que se perceber o que lhe falta.

 

Clínica Psicologia Lisboa

Consultório Terapia Casal

Consulta Psicoterapia Lisboa

Clínica Psicologia Porto